[RESENHA] Por Lugares Incríveis - Jennifer Niven

  Já tinha lido este livro antes, mas não soube na época como expressar minha opinião sobre ele, então acabei escrevendo de outro modo, e agora, finalmente estou resenhando. 
  Por Lugares Incríveis é um dos livros que nos ensina a olhar além das aparências, e fala de quanta importância damos a rótulos. Qualquer que seja o rótulo que recebemos, não somos o que algumas pessoas acham de nós. Existem pessoas que se importam, outras que fingem não se importar. Mas qual a razão disso?



  Os protagonistas do livro, Violet Finch, são dois adolescentes completamente diferentes, e, se não fosse um acontecimento inusitado, nunca teriam dirigido a palavra um ao outro. 
  Finch sabia quem ela era, e ela sabia quem ele era. "A garota popular" e "o garoto problemático, a aberração" do colégio. Mas não tinham trocado uma conversa, até o dia em que Finch sobe na torre do sino da escola, pensando se deve pular. 






  O que não digo é o seguinte: quero viver. E o motivo para não dizer é que, considerando a pasta repleta de ocorrências na frente dele, o sr. Embry jamais acreditaria em mim. E tem outra coisa na qual ele não acreditaria: estou lutando para permanecer neste mundo caótico de merda. Ficar no parapeito da torre do sino não é pra morrer. É pra ter controle. É pra nunca mais dormir de novo. - Finch (p. 22)



  Violet está de luto por sua irmã mais velha, Eleanor, e desde sua morte, desistiu de tudo. Não dirige mais, não escreve mais. Tem pesadelos. Perdeu tudo que era bom em sua vida, o talento de escrever, sua melhor amiga, seu namorado. Mas tudo muda quando um trabalho de geografia é passado na classe, e Finch quer que ela seja sua parceira, para conhecer os lugares incríveis de Indiana. A partir do momento em que isso acontece, ambos os personagens, que se sentem quebrados, descobrem alguém para quem podem contar o que os atormenta sem serem julgados, e tornam-se amigos, o que aos poucos evolui para amor. 






  Não sou perfeita. Tenho segredos. Sou uma bagunça. Não só meu quarto, mas eu mesma. Ninguém gosta de bagunça. As pessoas gostam da Violet que sorri. Me pergunto o que Ryan faria se soubesse que foi Finch que me salvou, não o contrário. Me pergunto o que qualquer um deles faria. - Violet (p.48)



  Descobri Por Lugares Incríveis ao acaso, navegando na internet, e ao ler a sinopse, a história me intrigou, o que me fez correr para lê-lo, mesmo em inglês. Não só por ser diferente de todas as outras que abordam adolescentes, mas porque relata assuntos sobre os quais ninguém tem coragem de ler, e a sociedade ainda se envergonha de saber, ou até perguntar. Por que tanto tabu a respeito de depressão e suicídio? Muitas pessoas se sentiriam mais amadas se alguém compreendesse o que passam e não julgassem, mas tentassem ajudá-las. 


Página Contos Mal Contados, por João Doederlein. 
Definição da palavra "depressão" escrita para o mês de Setembro, pela prevenção do suicídio.



  Finch está ao meu lado. Tão perto que consigo sentir sua respiração. Abaixa e completa: Antes de morrer quero viver um dia perfeito. Dá um passo para trás, lendo o que escreveu, e então dá um passo à frente de novo. E conhecer o Boy Parade. Antes que eu possa dizer alguma coisa, ele ri, apaga, e substitui por: E beijar Violet Markey. - Violet (p. 118)
  
  Esta estreia de Jennifer Niven na literatura para jovens adultos é corajosa e doce, apesar de tratar de um assunto difícil; e nos mostra que cada pessoa, mesmo que se mostre indestrutível, é frágil. Dentro delas há tanta confusão e imperfeição quanto dentro de nós, os que se consideram quebrados. Mas todos queremos viver dias perfeitos, nos quais possamos ser quem somos sem medo, com alguém que nos faça sentir que mesmo despedaçados, valemos a pena. 



Gosto de pensar que as cores e os sons e as palavras (...) são apenas eu e meu próprio cérebro brilhante, complicado, zunindo, sussurrando, planando rugindo mergulhando, divino. - Finch (p. 121)


Para aqueles que esperam um filme, uma adaptação cinematográfica com Elle Fanning no papel de Violet estreará nos cinemas em 2018. Deixando mais um pouco do livro com vocês, uma música que faz parte da playlist de Por Lugares Incríveis no Spotify - Brand New Day, de Kodaline. 



  Por último, posto aqui o que escrevi na época da minha primeira leitura da edição brasileira. Há um possível spoiler, então recomendo que aqueles que não leram o livro ainda só leiam depois. (Pulem essa parte, tá, gente?)
.
.
.
.
.
.


Você não é
Theodore Aberração, Finch 
Você é
Meu lugar mais incrível
Você salvou minha vida 
Quando eu pensava
Que não tinha mais nada 
Você disse 
Que queria andar comigo 
Porque eu sorri 
Eu sorri para você 
Nós andamos por tantos lugares 
Mas nenhum deles 
Foi igual a você 
Você me via
E dizia 
Ultravioleta Markante 
Eu disse 
Do que você me chamou?
Você me ouviu 
Ultravioleta
Eu sentia que pertencia ao Nada 
Eu só queria derreter
Desaparecer
Você só queria
Não sentir dor
Não sentir nada 
Você me salvou 
Meu lugar mais incrível
Eu não tinha mais palavras 
E você me devolveu a elas 
Quando eu disse 
Adorável 
Porque não achava nenhuma palavra
Você disse
Adorável 
É uma palavra adorável
Coisas para fazer 
Antes de morrer
E você escreveu 
Beijar Violet Markey
E eu olhava seus olhos
Claros como água 
Não queria parar de olhá-los
Nós andamos por tantos lugares 
Mas eu não parava de notar você
Eu não parava de olhar para você 
Você
O lugar mais incrível do mundo 
Não sou eu 
Que sou todas as cores em uma
Em pleno brilho 
Quem é
É você, Theodore Finch 
Você 
É o sistema solar 
Você 
Me mudou para sempre 
O lugar mais incrível pelo qual andei 
Foi você

23.03.15

.
.
.
.


Você sorriu para mim 
Ultravioleta
E eu quis 
Pela primeira vez
Ser alguém
Que merecesse 
Ser amado
Ser alguém que valesse a pena
Eu não trocaria seu sorriso
Por nada 
Eu não trocaria
O alinhamento de Júpiter-Plutão
É vida 
Ultravioleta Markante é minha vida 
Violet Markey é minha vida 
O sorriso dela é minha vida 
Quando você disse
Adorável
Eu sentia que flutuava
Com você 
Eu sei que você me amava
Ultravioleta
Eu sei que você me ama
Eu só não quis mais
Sentir que sou 
Despedaçado 
Embora com você 
Eu me sentisse 
Adorável
E é adorável
Ser adorado em Particular 
Pela garota que você adora 
E eu só queria 
Que você soubesse 
Que todas as minhas canções
Seriam sobre você
São sobre você 
Eu só queria que meu epitáfio dissesse
Theodore Finch 
O garoto que Violet Markey ama 

.
.
.
.




Título Original: All The Bright Places 
Autora: Jennifer Niven 
Tradução: Alessandra Esteche
Editora: Seguinte 
Páginas: 335
Ano de Publicação: 2015
ISBN: 978-85-65765-57-2

Classificação


  

Um comentário :

  1. Le, eu estou sem palavras aqui, sua resenha está tão divina e traduz exatamente o que esse livro foi para mim. Apesar de ter lido a pouco tempo sinto uma necessidade de reler e absorver tudo de novo. Finch e Violet me fizeram a amar e me deixaram impotente ao mesmo tempo, sentia uma necessidade de que o fim fosse diferente, mas ainda assim é um dos melhores livros que li nos últimos meses. Já disse que amei os poemas que você escreveu, seu talento para colocar a história em pequenos versos é lindo.

    ResponderExcluir